Pague a Autora

Um trabalho que dá trabalho para ser pago

Imagine que você chegue numa entrevista de emprego e ofereçam a seguinte vaga pra você:

É um trabalho que você pode fazer de casa, sem chefe te cobrando horário. Mas o horário de trabalho é todos os dias, inclusive eventualmente aos finais de semana e feriados. A carga de trabalho diária ultrapassa facilmente as oito horas.

Não tem banco de horas, nem hora extra remunerada. Não tem férias, décimo terceiro, vale alimentação ou plano de saúde.

Em compensação, não tem chefe – já falei essa parte? Consequentemente, não tem ninguém para te orientar, te dar diretrizes ou te ensinar como fazer o seu trabalho. Você precisa se virar e descobrir você mesmo.

Entre os principais benefícios estão: fazer algo que muita gente gostaria de estar fazendo, ter visibilidade e ser vista como uma pessoa corajosa.

A vaga, é claro, possui alguns requisitos. É preciso escrever muito bem. Gostar de fazer pesquisa. Ter excelente bagagem cultural. Ser extremamente criativo e estar sempre se renovando. Ter domínio de vários assuntos. Entender de marketing e redes sociais. Saber o básico de edição de imagens, vídeo e áudio. Ter senso estético e critério para curadoria de temas e imagens. Ter noções básicas de plataformas de publicação, desde wordpress até kindle direct publishing. Ter algum conhecimento sobre mercado editorial. Ter disposição e disponibilidade para eventos e entrevistas. Ter um bom networking. Todo o tipo de conhecimento que você precisou de muito tempo e investimento de recursos para adquirir – e nenhuma garantia que terá algum retorno.

Também é preciso ter seus próprios equipamentos e materiais de trabalho, porque não serão fornecidos pra você. Não será reembolsado nenhum valor referente à manutenção de equipamentos, compra de softwares e livros necessários para a execução do trabalho; transporte, alimentação realizados em função de suas atribuições; ou ainda custos com internet, domínio, hospedagem, ou até mesmo água e energia elétrica, que você irá precisar para poder trabalhar.

Nem precisa mandar sua pretensão salarial, porque essa vaga não tem salário fixo. Tanto o valor quanto a frequência do seu pagamento vão depender do quanto você conseguir em doações. Ou em propostas para trabalhos e eventos que queiram te pagar, se você tiver alguma sorte de conseguir uma ou duas propostas desse tipo em um ano entre dezenas de pedidos e convites para você fazer coisas de graça.

Com essas fontes de renda completamente flutuantes, considere que a única certeza que você terá é a de que, em média, sua renda mensal dificilmente vai passar dos três dígitos.

Não é uma vaga nada atraente e muitos diriam que seria loucura aceitar algo assim. Mas eu aceitei essa vaga. Escolhi conscientemente fazer dessa loucura o meu trabalho. Porque acredito no que eu estou fazendo. Porque quero fazer mais.

Mas eu não sei por quanto tempo vou conseguir fazer isso. É muito trabalho pra pouco retorno, é fazer do trabalho minha vida, mas perceber que meu trabalho sozinho não me dá o suficiente para que eu consiga viver.

Se não fosse a generosidade dos meus leitores que fazem contribuições mensais, eu já teria desistido disso há tempos.


Falo sobre isso neste vídeo:

Os textos deste blog podem ser lidos gratuitamente. Receber a minha newsletter também é gratuito e sempre será. Mas, se continuo escrevendo, é porque há pessoas que acreditam no meu trabalho e me dão condições de continuar nessa jornada – e você pode ser uma delas ;)

Veja as opções abaixo e pague o quanto quiser, da forma que achar melhor – basta clicar no botão da opção que preferir.

Se preferir me fazer uma doação via depósito e precisar dos meus dados bancários, mande um e-mail para escreva@alinevalek.com.br.

Lembrando que se você gosta do meu trabalho mas não pode me ajudar financeiramente, calma, você também pode me ajudar muito: compartilhe meus textos, compartilhe esse vídeo, ajude a divulgar as coisas que escrevo. Também faz uma baita diferença e agradeço!

 

Faça uma assinatura de R$ 10 / mês

Aquela forcinha maneira para me ajudar a escrever, pelo valor de um café com pão de queijo! Você pode fazer a assinatura por Pagseguro, pagando pelo cartão de crédito – e estará me enviando um pedacinho de amor todo mês, durante um ano.


Faça uma assinatura de R$ 20 / mês

Para quem pode pagar um pouquinho mais, uma opção que vai fazer as engrenagens da escrita continuarem funcionando a todo vapor! Você pode fazer a assinatura por Pagseguro, pagando pelo cartão de crédito – e estará me enviando um pedacinho de amor todo mês, durante um ano.


 

Doe o quanto quiser

Você escolhe o quanto pagar em uma doação única! Nesta opção, você também pode me pagar uma assinatura adiantada, por exemplo, me mandando o valor da assinatura de seis meses de uma vez só.

Doando pelo Pagseguro, você encontra a opção de doação por boleto, o que é ótimo caso você não possua cartão de crédito e quiser contribuir, uma única vez ou mensalmente.

Doando pelo Paypal, você também pode pagar o quanto quiser, uma única vez. Mas pode tornar essa doação mensal, bastando clicar na caixinha “tornar esta doação recorrente (mensal)”.