Pague a Autora

Leitores sobre “As águas-vivas não sabem de si”

“Águas-vivas me surpreendeu porque começa como um livro que promete encontrar seres fantásticos para depois jogar na nossa cara o quanto somos arrogantes por acharmos que somos superiores. É uma aventura tão humana… Tão intensa. Uma aventura que joga personagens num abismo só para falar dos nossos abismos particulares. Vou sentir falta de todos eles. Pude sentir a dor de cada um deles, seus medos e angústias. Este livro me transformou. Auris me transformou.”

– Isaque Criscuolo

 

“Acabei de ler o livro e me sinto escrevendo isso aqui numa ‘voz’ meio embargada pelo choro provocado por esses últimos capítulos. Pra mim, a melhor medida pra encarar algo artístico ainda é o bom é velho ‘o quanto isso me toca’, e Águas-vivas veio fundo – se tem uma coisa que não sai da minha mente há dias é a imagem da solidão dos Azúli e sua canção.”

– Camila Miranda

 

“O novo livro da Aline Valek não é só um mergulho no oceano, não é só ficção científica, não é só literatura de excelente qualidade, não é só um exemplo incrível de como ‘usar’ diversidade (de gênero, racial, sexual) no entretenimento. As águas-vivas não sabem de si é um mergulho no fundão de si e de como nós, humanos, construímos nossa própria solidão… Por medo”

– Jarid Arraes, escritora

 

“Puta livro.”

– Elvira Vigna, escritora

Tweet da escritora @elviravigna: "acabei o livro da @alinevalek e, ó, puta livro. vou passar pra caró, que mergulha e vai gostar de ler"

 

“Passado debaixo d’água, o romance se atém ao grupo de pesquisadores e, nas profundezas, trata mesmo é da solidão, das complexidades humanas e da vastidão do oceano. O oceano, inclusive, é personagem do livro, num misto de ficção científica com linguagem poética. Ainda que seja um romance mais lento, vale ser conferido pela proposta inusitada e pelo texto saboroso.”

– Raphael Montes, escritor

 

“Existem diversas coisas que eu gostaria de dizer para você ou para qualquer outra pessoa sobre este livro e tudo que ele significou para mim. Fui tentar descrever a experiência da leitura dos últimos capítulos para uma pessoa querida e eu não conseguia dizer nada em meio ao pranto. Acredito que não consigo encontrar as palavras corretas, pois nas páginas deste livro pude encontrar o que nunca consegui expressar, essa relação louca e arrebatadora que tenho com o mar e tudo que ele representa para mim.”

Júlia Saraiva

 

As águas-vivas não sabem de si é, sim, um livro tão poético quanto seu título. Não se engane, porém: a história principal não trata de águas-vivas propriamente; ao menos, não apenas. O enredo, na verdade, acompanha duas linhas paralelas. A primeira nos conta sobre Auris, uma pequena estação subaquática onde convivem cinco pesquisadores. A segunda linha, minha preferida, traz a visão do fundo do mar, muitas vezes em épocas remotas. É lindíssimo o modo como a autora descreve os seres que lá habitam – e como eles veem o mundo –, o ambiente, as luzes, os sons (até mesmo os sons você parece capaz de escutar!)… É, de verdade, poesia em forma de prosa, tamanho o lirismo das passagens.”

– Adônis, via Skoob

 

“É livro para digerir com calma.”

– JM Trevisan, editor da revista Dragão Brasil.

JM Trevisan no Twitter: "Acabei de ler As águas-vivas não sabem de si, da Aline Valek. Leiam, porque essa moça escreve muito! É livro pra digerir com calma"

 

“Já trabalhei confinado em plataformas, e vi muitas coisas bonitas pelas câmeras dos R.O.V.s. Mas o mais marcante, quando estamos lá, é o isolamento e a necessidade de nos entendermos com nós mesmos. Às vezes, assusta. Talvez por isso eu tenha gostado muito desta história, com a qual me identifiquei bastante”.

– Eduardo Virgili, escritor

 

“O livro é difícil. A narrativa é bem lenta e passa por vários personagens contando várias histórias. Mas vale a pena? Eu acho que vale. Eu terminei o livro com vontade de mais e com uma sensação de que não entendi muito do que me foi passado e de que uma leitura com menos pressa teria me dado uma experiência melhor. Não foi fácil para mim. Após a  leitura, me causou confusão e muita reflexão; durante a leitura, eu ficava atordoada e agoniada. Esse livro me trouxe sentimentos antagônicos.”

– Yougonnashine, via Skoob

 

“Aline consegue fazer a gente se importar muito rápido com todos os personagens, cada um com sua personalidade muito bem definida e marcante. Os capítulos com o POV das criaturas marítimas são incríveis. Durante a leitura deles é meio impossível não acabar fazendo alguns paralelos com a nossa vida e a forma como vivemos em sociedade.”

– Gustavo, via Goodreads

 

“É o tipo de livro que eu vou ler mais duas, três, quatro vezes e que vai me tocar da mesma forma (talvez mais) e sempre trazer coisas novas. Foi uma leitura pra dentro de mim.”

– Aline, via Goodread

 

“Enquanto geralmente a gente pensa que o espaço é esse lugar do desconhecido, a autora subverte: conhece-te a ti mesmo. O oceano, aqui, dentro do nosso mundinho mesmo, pode ser tão ou mais desconhecido que o que está no infinito do espaço sideral. Mergulhar mais fundo, mais fundo é o que a narrativa parece querer nos levar a fazer.”

– Carla Soares

 

“Demorei horrores pra ler, pois eu ficava literalmente claustrofóbica lendo… falta de ar mesmo.”

– Lilyan Fernandes


Indicado em: 

Capa "As águas-vivas não sabem de si"

As águas-vivas não sabem de si é meu primeiro romance e foi publicado pelo selo Fantástica, da Editora Rocco.

Está disponível nas melhores livrarias ou em e-book.

Para saber mais sobre o livro:

:: Mergulhando em busca das águas-vivas; conto sobre meu processo de escrita e como surgiu a ideia para o livro.

:: O som em As águas-vivas não sabem de si; com indicação das músicas que fazem parte da história.

:: Mergulhando com Corina; onde leio trecho do livro.