Letras miúdas

Olá leitor/leitora. Sua presença é muito bem-vinda em meu blog, mas é bom avisar que existem algumas regrinhas. Vale investir um tempinho para conhecê-las e depois não reclamar que eu não avisei.

“Por que não consigo mais comentar nos seus textos? Aquela história que você contou em um de seus textos é verdade? Posso publicar um texto seu no meu blog?”

A seguir, você descobre as respostas para esses questionamentos e, quem sabe, a previsão do seu horóscopo para o dia de hoje.

 

Política de comentários

A política de comentários aqui agora é bem simples: sem comentários.

Um dia, esse blog já teve comentários abertos, mas os visitantes começaram a abusar desse privilégio. Comecei a moderar os comentários para filtrar os absurdos que escreviam. Continuei lendo tudo, mesmo achando que os meus leitores não mereciam ser expostos a comentaristas mal educados que babam, ofendem e só não mordem porque o meio impede.

Então resolvi limitar os caracteres dos comentários, na esperança de que, tendo que escrever menos, as pessoas pensassem um pouco mais antes de escrever. Não funcionou. A diferença é que agora escreviam coisas ofensivas e agressivas em menos caracteres – ou escreviam um longo texto dividido em vários comentários (indignadas porque não cabia em um comentário toda a sabedoria que elas tinham para compartilhar).

O tempo que eu perdia tendo que ler, entender (o que às vezes era tarefa difícil), decidir se aprovava ou não e entrar no dashboard para aprovar o comentário, se acumulado em uma semana, era o tempo de escrever mais um texto para o blog – e, infelizmente, esse é um tempo que não volta mais.

Comentários cansam. A vida é curta.

Você não é obrigado a ler os meus textos, não é obrigado a gostar nem deles nem de mim, não é obrigado a concordar com eles e se ler e não gostar também não é obrigado a ficar calado sobre isso. É claro que você tem todo o direito de dar sua opinião sobre os meus textos, mas não vai fazer isso aqui. Abra seu blog, escreva o quanto quiser (inclusive mal dos meus textos) e seja feliz. Agradeço pela audiência.

Talvez um dia, quando a internet não estiver mais tão cheia de raiva, eu volte a abrir a seção de comentários. Até lá, as pessoas que têm algo a acrescentar sabem como entrar em contato comigo.

 

Disclaimer

Apesar de parecer óbvio, não custa avisar: meu blog é sobre ficção, e qualquer semelhança com fatos reais, pessoas vivas ou mortas será mera coincidência. Até os textos de opinião são sobre questões que, na verdade, não existem e integram um universo totalmente ficcional onde a autora é paga para escrevê-los.

A verdade é superestimada. Se as histórias que conto são verdadeiras ou não, é irrelevante; o que importa é o que elas fazem você pensar e o que você se torna em contato com elas.

 

Faça bom uso

Os textos do meu blog estão sob uma licença Creative Commons. Isso significa que você pode usar os textos para criar obras derivadas, desde que dê os devidos créditos à autora e ao blog, e desde que não seja para fins comerciais. Mas, se quiser negociar o uso comercial de qualquer texto publicado aqui, ou de qualquer texto que eu ainda não tenha escrito, basta entrar em contato comigo.

(lembrando que publicar um texto meu em um blog/site que ganha com publicidade é fazer uso comercial do meu trabalho e uma coisa bem feia. Por favor, não seja esse tipo de pessoa)

Você também pode reproduzir os textos publicados aqui no seu blog, Facebook, trabalho de faculdade, cartão de aniversário para sua mãe, ou qualquer outra mídia — não esquecendo de dar os devidos créditos à autora e ao blog, e desde que não seja para fins comerciais. Eu já disse isso, mas é sempre bom deixar claro.

Também gostaria de lembrar a você que as regras podem mudar a qualquer momento, de acordo com o que me der na veneta, sem aviso prévio ou sem a necessidade de pedir a sua bênção.

Pela atenção, grata.

_
Licença Creative Commons
O trabalho blog da Aline Valek de Aline Valek foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.

 

Fotografia: Kristina Alexanderson // Flickr Creative Commons