Vaga carne

Vozes existem.

Vorazes.

Pelas matérias.

São as palavras que abrem a peça Vaga Carne, de Grace Passô. Um texto que me deixou apaixonada pela dramaturgia da artista que já tinha me encantado pela atuação muito sensível no filme Temporada, sobre o qual escrevi aqui.

A protagonista é a palavra. A linguagem em pessoa. Uma voz errante que encarna em coisas (vivas ou não) para experimentar o sabor da existência a partir das substâncias que compõem os seres e objetos. Patos. Cremes. Cafés. Cavalos. Estalactites!

A palavra vaga, até entrar no corpo de uma mulher negra. É o cenário onde a história acontece:

Nada é oco por aqui. Não, não é oco.

Tudo tão deslizante, como os cremes.

Escuro, tudo escuro. Escuro.

Se virássemos este corpo ao avesso, vocês entenderiam: aqui é um lugar escuro, escuro.

(…)

Estão ouvindo? Você ouve, coração? Pulmão? Sangue? Osso? Lá fora existe um bicho feroz, coisa de manter flechas e armas nas mãos! Sabem que nome tem esse bicho? Sabem como se denomina esse bicho? Sabem que nome tem?

O olhar dos outros.

Aqui dentro não entra o sol, o sol não entra, mas também não faz falta nenhuma. [Para o público.] Peço que me escutem pra que vocês tenham consciência de si mesmos, é tudo escuro dentro de ti, ti, ti e ti e ti. E também não são objetos, não, é uma vegetação, ou… uma… máquinas, tudo move, move, move, percebem?

O livro me deu vontade de colocar palavras na boca, especialmente as que ainda não são minhas. Falou diretamente com a linguagem que mora em mim e que aprendeu a habitar este corpo.

A voz demonstra que a existência expande quando o vocabulário aumenta (“vamos invadir o corpo dessa mulher com palavras! vamos ocupar o corpo desta mulher com palavras!”).

A voz aprende, dentro da existência humana, que há um território desconhecido para ela, um universo muito além da linguagem. Experimenta o esquecimento, o vazio, a falta.

É o vazio. É como a imagem de uma luz num cômodo vazio. É o deserto. Esquecer é o deserto. Sustar a memória, que matéria! Eu te amo, esquecimento. É sério, eu estou apaixonada. Que nada absoluto, que vagação sem rumo, esquecer é gostoso demais, esquecer é meditante. Como não estive antes em ti, esquecimento? Que…

Um texto que só pode ter vindo do lugar de alguém que é carne e sobretudo linguagem. Que tem tanta intimidade com as palavras que as coloca para brincar. Que cria um universo mágico dentro de um único corpo. Escrita fantástica é isto.

Grace Passô, me possua.

Grace Passô encenando Vaga Carne. Fotografia de Lucas Ávila

Escritora, ilustradora, ilusionista. Conto quem eu sou um livro por vez.

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Site Footer

Sliding Sidebar

Receba novos posts por email

Saiba em primeira mão quando tiver leitura nova por aqui, beibe

Instagram

No images found!
Try some other hashtag or username

Visite minha loja

Minha central de newsletters

Downloads