Monarcas de nossa casca de noz

O mais importante para conseguir escrever um romance é curtir o processo de escrever um romance.

Claro que não vale só para romances; quem corre ou cozinha ou lê, por exemplo, também vai entender do que estou falando. Mas, como estou naquela fase monotemática em que tudo que existe nessa vida é escrever romance*, vamos começar assim mesmo.

Sei que é muito bonito e desejável e legal ver o troço pronto, algo que se pode tocar e mostrar para os outros, mas meio difícil querer alcançar um resultado sem gostar da trabalheira envolvida no processo que te conduz a ele.

Aliás, se dedicar tanto tempo, esforço e sanidade em algo assim não for a sua praia, para quê se meter com isso, para início de conversa?

Dispenso a via crucis criativa: em vez de escrever porque sofro e fazer da escrita um momento de sofrimento e angústia, prefiro escrever porque tenho verdadeiro prazer nisso. Adoro conectar pontos, amo quando as coisas se encaixam, fico muito empolgada quando resolvo um diálogo ou encontro a melhor forma de contar uma cena, pareço criança com Lego, montando, desmontando e remontando várias vezes a estrutura da minha história. E, por ser bom, quero repetir; por repetir, vou criando a quantidade necessária para terminar.

Estou chegando perto de terminar meu segundo romance. A repetição do processo ensina muito: sobre o processo em si, mas também sobre mim mesma. Aprendi sobre a importância dos ciclos e também sobre o quanto o prazer ajuda os processos a caminharem.

A mente, ansiosa, deseja o resultado final, como se o prazer estivesse apenas no fim, e apenas lá ela pudesse ser feliz e comemorar e dizer ufa! Por ver essa “felicidade” como algo distante, no alto de um morro, a mente se cansa durante a caminhada, fica irritada com todo aquele esforço e depois frustrada que o resultado e o prazer vindo dele não durou o quanto esperava.

Todo prazer é momentâneo, porque tudo é momentâneo. Não há felicidade que dure, permanente e inabalável. Esse me parece o argumento mais lógico para viver o presente e deixar que ele seja isso: um presente, algo que estou ganhando, junto com uma imensa alegria.

É uma questão de virar uma chavinha: se para atingir o resultado que quero preciso passar por determinado processo, que eu consiga curtir esse processo. Que eu o viva da melhor forma possível.

Então o resultado não será algo tão distante, mas algo que naturalmente aparece no meio de um caminho que gosto de percorrer.


ilustração: Lorenzo Gritti

Mudar a chavinha mental é tudo.

Numa cena em Hamlet, o príncipe recebe dois amigos de fora: estão naquela de oi, oi, e aí sumido, tudo bem, tudo ótimo, e as novidades, etc.

Hamlet então pergunta: “o que vocês fizeram com a Fortuna para ela jogá-los nesta prisão?”.

Um deles responde: comassim prisão, cara? E Hamlet: “a Dinamarca é uma prisão!”

Então eles começam a debater, porque os amigos não concordam com essa visão de que a Dinamarca seja tão horrível!

“Não pensamos assim”, diz um dos amigos.

Hamlet responde: “Então pra você não é. Não há nada de bom ou mau sem o pensamento que o faz assim. Pra mim é uma prisão.”

O amigo tenta dar aquela amenizada porque aquela conversa está ficando muito bad vibe, e pergunta: “Não será sua ambição que faz que ela seja? Vai ver a Dinamarca é pequena demais pro seu espírito” (ou seja, ainda tenta fazer um elogio bacana pro cara).

Então Hamlet responde (atención):  

“Oh, Deus, eu poderia viver recluso numa casca de noz e me achar o rei do espaço infinito se não fossem meus pesadelos”.

Se a nossa mente é uma prisão, qualquer lugar que a gente esteja será uma prisão.

Aliás, já viu como uma noz se parece com um cérebro?


E por falar em romances: como saber se você está numa história de Aline Valek?


(*) texto originalmente escrito em setembro de 2018 e publicado em Uma Newsletter #26, enquanto eu escrevia meu próximo romance, que será publicado pela Editora Rocco, em 2020.

Assine grátis minha newsletter para receber mais textos como esse no conforto da sua casca de noz:

powered by TinyLetter

Escritora, ilustradora, ilusionista. Conto quem eu sou um livro por vez.

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Site Footer

Sliding Sidebar

Receba novos posts por email

Saiba em primeira mão quando tiver leitura nova por aqui, beibe

Instagram

No images found!
Try some other hashtag or username

Visite minha loja

Minha central de newsletters

Downloads