Brilhante

A escritora Maria Carolina de Jesus, em foto de 13/12/1961 antes de embarcar para o Uruguai para lançar o livro “Quarto do Despejo” Estadão/Acervo

“Enquanto escrevo vou pensando que resido num castelo cor de ouro que reluz na luz do sol. Que as janelas são de prata e as luzes brilhantes. Que a minha vista circula no jardim e eu contemplo as flores de todas as qualidades. É preciso criar este ambiente de fantasia, para esquecer que estou na favela. As horas que sou feliz é quando estou residindo nos castelos imaginários”.

Carolina de Jesus, Quarto de Despejo, 1960

Na foto, a autora dessas palavras, Carolina Maria de Jesus, indo pegar um avião para lançar seu livro, Quarto de Despejo, fora do Brasil. Hoje li um texto da Fabiana Moraes que diz: “a periferia deseja brilhar, como a maioria dos seres humanos nascidos sobre a terra”. Penso nas mulheres com as mentes cheias de castelos imaginários, capazes de criar riqueza com as mãos. Penso em como a arte pode ensinar nosso olhar a ver beleza no mundo, a se acostumar com o brilho escondido nas nossas cavernas mentais. Penso em Carolina e em como eram brilhantes suas palavras. Que bom ela fez morada na literatura.

Escritora, ilustradora, ilusionista. Conto quem eu sou um livro por vez.

Sliding Sidebar

Receba novos posts por email

Saiba em primeira mão quando tiver leitura nova por aqui, beibe

Visite minha loja

Apoie

Minha central de newsletters

Assine grátis

a newsletter mais legal da galáxia todo sábado no seu e-mail

Gosta do que escrevo?

faça uma doação marota

Curte, curte

Compre o e-book Pequenas Tiranias
Compre o e-book Pequenas Tiranias