O quanto você pode perder de si e ainda se reconhecer


Uma leitura de A Zed & Two Noughts, filme de Peter Greenaway


Nesse Zoo as espécimes raras são os zóologos. Primeiro que são irmãos: um tem tesão em registrar o processo de decomposição dos bichos, o outro come vidro e curte ficar pelado com caramujos. Ou quem come vidro é o maluco que faz timelapse de carcaça? Difícil dizer, os dois são iguais — e até um tico a cara do Christian Bale.

Oswald e Oliver, os dois O’s do Zoo. Aí que as esposas dos dois morrem no mesmo acidente, envolvendo um cisne (fêmea, cheia de ovos) e uma mulher chamada Leda ao volante, que na verdade chama Alba (não pergunte), cujo maior desejo era ter 26 filhos e nomear cada um com uma letra do alfabeto grego (que tem 24). Vishe. E lá vem filme enfiado de simbologias e easter eggs mitológicos — deixa eu me aprumar para não perder as referências e ficar boiando depois.

Não adiantou: fiquei boiando mesmo assim.

Mas entender é uma experiência superestimada. Preferi embarcar no surrealismo da estética e do diálogo, o que me levou para bem perto da experiência de apreciação de teatro independente, inclusive pela presença frequente de pirocas em aparições meramente artísticas.

Alba que é Leda perde um bebê e uma perna no acidente, mas não perde tempo em pegar os dois maridos das amigas que morreram no carro que dirigia. Os dois ao mesmo tempo, inclusive. É porque o filme insiste nas simetrias: dois amantes, dois pais, gêmeos siameses, reflexos no espelho, animais preto e branco, listras, preso e solto, vivo e morto. Uma coisa com dois.

Por isso parece natural aceitar que a solução para a perda da mulher é amputar a outra perna. Questão de equilíbrio, o médico diz. Pelamor, esse doutor é capaz de receitar amputação para qualquer sintoma leve de gripe.

Nessa história, por outro lado, Vênus De Milo tem os dois braços. Encantadora personagem: puta, posa para um dos irmãos, costura roupas de desenho especial sobre encomenda e ainda conta histórias fantásticas para seus clientes por 25 libras o conto.

Um cadáver de filhote de jacaré custou 40 libras.

Tudo o que Vênus De Milo quer é ser publicada. Ela é uma mulher simples, consigo me identificar com ela.

Tudo o que os irmãos querem é ficar juntos, isso também consigo entender — além, é claro, de assistir ao lento processo da morte corroendo a simetria do que já foi vivo. Luto mal resolvido?

Tem algo de sedutor em assistir à decomposição da matéria. O corpo virando alimento para outras criaturas, ficando irreconhecível. A morte devora.

Alba também vai sendo mastigada aos poucos, um pedaço de cada vez. Os irmãos doideira ficam curiosos em saber o que o efeito da morte faria no corpo da mulher. Eles levam esse fetiche muito a sério.

Vivos já perdemos pedaços. Como um zoo que vai ficando sem bichos, patético. O quanto você pode perder de si e ainda se reconhecer?

Escritora, ilustradora, ilusionista. Conto quem eu sou um livro por vez.

Sliding Sidebar

Receba novos posts por email

Saiba em primeira mão quando tiver leitura nova por aqui, beibe

Visite minha loja

Apoie

Minha central de newsletters

Assine grátis

a newsletter mais legal da galáxia todo sábado no seu e-mail

Gosta do que escrevo?

faça uma doação marota

Curte, curte

Compre o e-book Pequenas Tiranias
Compre o e-book Pequenas Tiranias