O que voce achou do meu blog? Participe da minha pesquisa! Clique para responder

O sofrimento de uma distância segura

Entendi porque detesto a narrativa do artista que só faz sucesso depois que morre. O estalo aconteceu quando Hannah Gadsby, em seu show Nanette, contou um pouco sobre a história de Van Gogh, que vendeu apenas um quadro durante sua vida, para só depois de morto fazer sucesso.

Sabe por que Van Gogh só vendeu um quadro durante a vida? Porque ele não conseguia se conectar às pessoas, não conseguia se relacionar, fazer o network tão importante para crescer profissionalmente. E ele não conseguia porque tinha uma doença mental.

Há a ideia de que a loucura, a tristeza e o sofrimento é que tornam possível o trabalho do artista. Imagine se Van Gogh se tratasse e se medicasse, não teríamos seu céu estrelado ou os girassóis!

Bem, a questão é que Van Gogh precisava ser medicado sim. Ele comia as próprias tintas, sabe? Hannah conta, inclusive, que ele tomava um remédio para epilepsia que o fazia ver a cor amarela com mais intensidade, o que provavelmente o levou a pintar aquele famoso quadro dos girassóis.

Quanto sofrimento precisa estar por trás da beleza para realmente a admirarmos?

Temos um tesão inexplicável por sofrimento. Nada mais representativo disso que a imagem de um cara torturado, pregado a uma cruz, sangrando, espalhada por todos os cantos do nosso mundo ocidental.

Muitas vezes, no entanto, são os artistas que se tornam o canal onde as pessoas podem ver os mais extremos tipos de sofrimento de uma distância segura.

Olha lá, mutilou a orelha. Pulou do prédio. Morreu de overdose. Perdeu tudo. Coitadinho. Que vida difícil é a da pessoa genial!

Então faz sentido que continue a ser alimentada a ideia do artista como um ser necessariamente perturbado, sofredor, que morre na merda, na tristeza e na miséria. Porque o sofrimento inevitavelmente faz parte da experiência humana, então saber que há alguém passando por algo pior parece aliviar nossa carga; ou ainda uma desculpa confortável para não se dedicar a criar algo grandioso, porque olha lá o que acontece com alguém que tenta!

Como escreveu Alex Castro:

“Jesus morreu por nossos pecados e nunca mais perdemos esse hábito de viver indiretamente através dos outros. Condenamos nossos ídolos a morrer por nós, pois só assim podemos suportar nossas vidas de não-ídolos.”

Está todo mundo mergulhado numa piscina de merda ou lutando para sair dela. Não há um sofrimento pior que o outro, todo sofrimento é sofrimento. Se é uma experiência tão humana, não faz sentido continuar a romantizá-la dessa forma, como se quem sofresse fosse mais especial. Como se sofrimento fosse pré-requisito para ser gênio. Não é. Ninguém precisa de sofrimento para produzir coisas belas e geniais, nem os artistas de quem gostamos, nem você.

Quero distância dessa narrativa do artista que passa a vida na merda e só é reconhecido depois da morte – muitas vezes reconhecido por causa do seu sofrimento; seja sua miséria, sua loucura, sua depressão, seu suicídio. Essa narrativa não faz bem a ninguém.

Como artistas, em vez de pensar que precisamos sofrer para produzir coisas belas e geniais, podemos pensar que não precisamos do sofrimento para nada; e mostrar, através da nossa arte, que é possível sair do sofrimento. Que há sempre uma saída.


“És autêntico ou apenas um ator? És um representante? Ou a própria coisa representada?” – Friedrich Nietzsche, em Crepúsculo dos ídolos, ou, como se filosofa com o martelo.


Leitura Complementar

– Por que a escritora Hilda Hilst não fez sucesso em vida? Explicado em quadrinhos.

– Incrível o documentário “Arthur Miller: escritor”, da HBO. Sobre a vida e trabalho do dramaturgo americano que escreveu “A morte do caixeiro viajante”, “As bruxas de Salem” e “Depois da queda”. Fiquei muito inspirada.

– Você não tem que viver em público, texto muito necessário do Austin Kleon.


Texto publicado originalmente em julho de 2018, edição #24 de Uma Newsletter. Assine e receba textos como esse no conforto do seu email:

powered by TinyLetter

Escritora, ilustradora, ilusionista. Conto quem eu sou um livro por vez.

2 comments On O sofrimento de uma distância segura

  • Antes de começar a me tratar, eu achava que controlar/diminuir a ansiedade me faria ter menos ideias pra escrever, kkkkkkk. Agora tenho cada dia mais certeza de que criar é justamente o que me mantém sã.

    • O sofrimento ocupa um espaço na cabeça. A gente tende a achar que os gênios criam por causa do sofrimento, mas criaram APESAR dele. Buscar tratamento acaba liberando mais espaço pra criar, pelo menos esse tb foi meu caso!

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Site Footer

Sliding Sidebar

Receba novos posts por email

Saiba em primeira mão quando tiver leitura nova por aqui, beibe

Visite minha loja

Apoie

Instagram

This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram access token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram access token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.

Minha central de newsletters